A POLÍCIA MILITAR, SUA ORGANIZAÇÃO E INVESTIDURA – UMA INSTITUIÇÃO NECESSÁRIA PARA TODOS OS MOMENTOS

4
Print Friendly, PDF & Email

Todos temos acompanhado pela mídia as mais variadas manifestações sobre a segurança pública brasileira, pois o tema é de suma importância na medida que a ocorrência de casos de crimes e desordens atingem cotidianamente as pessoas que vivem em sociedade. Aí, como já mencionado em outras postagens neste blog, aparecem os mais variados críticos, dentre os quais os “milagrosos” “especialistas”, os quais invariavelmente nas suas simplórias soluções acabam pregando, dentre outras alternativas, a desmilitarização e a extinção da Polícia Militar. Desejam retirar a investidura e a organização militar dessa instituição como se isso fosse a solução final e única, vendendo aos menos informados a ideia de que ser militar é uma espécie de doença etc, etc, etc.

Já foi comentado anteriormente neste blog em várias oportunidades, sobre a desconstrução desta máxima com argumentos e não com o “achismo” tradicional proclamado por aqueles que pouco ou nada conhecem do tema.

Sem entrar novamente nos detalhes sobre uma organização policial ser organizada militarmente e seus integrantes possuírem investidura militar gostaria de, mesmo que rapidamente, tecer alguns comentários sobre situações atuais onde a sociedade através de seus governos confirmam a necessidade da existência de instituições policiais com organização e investidura militar.

Pois bem, recentemente aflorou o problema no sistema penitenciário maranhense amplamente divulgado pela mídia nacional. Sem entrar na motivação da crise instalada e da ocorrência dos fatos, quero ressaltar que devido ao caos total que se encontrava o referido sistema naquele Estado, fica a pergunta: quem foi chamado para resolver o problema e colocar ordem na situação local evitando crimes e desordem praticados por presos violentos e organizados para a realização de mais e mais delitos inclusive ordenando que membros de facções em liberdade aterrorizase a população?  A resposta é: a Polícia Militar que, através de sua tropa especializada, assumiu a segurança total e a direção do complexo penitenciário através de um Oficial Superior nomeado formalmente para tal fim.

Isso é mais uma prova que a organização militar de uma instituição militar policial é necessária sempre para restabelecer a ordem nas várias situações onde a sociedade está a mercê de desordeiros de toda a ordem.

Alguns leitores desavisados e pouco informados até podem mencionar que a “tal” de “Força Nacional” que também encontra-se por lá (Maranhão) e está colaborado etc, etc, etc. Pois bem sem entrar no mérito da legalidade ou ilegalidade dessa força atuando como polícia nos Estados o que é questionável (tema para outra postagem), deve ser dito que seus componente são militares dos estados, ou seja, integrantes das Polícias Militares e/ou Bombeiros Militares. Aí pode ser militar, ninguém questiona. É um grande contra senso, e muitos que defendem a “tal”  de Força Nacional criticam e querem desmilitarizar e/ou extinguir a Policia Militar, dá para entender isso?

http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/pm-ira-ser-responsavel-pela-seguranca-nos-presidios-no-maranhao

http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/maranhao-faz-balanco-positivo-de-medidas-para-penitenciarias

Outro fato que merece também ser mencionado, pois evidencia o que estamos tratando, é a notícia da última semana Publicada no portal G1 com o seguinte título: “Polícia Militar vai administrar dez escolas públicas do estado de Goiás” – Link: http://m.g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2014/01/policia-militar-vai-administrar-dez-escolas-publicas-do-estado-de-goias.html

Diz a matéria publicada no dia 17/01/2014 por Fred Ferreira de Brasília-DF:

A Secretaria de Educação de Goiás decidiu colocar a Polícia Militar para administrar dez escolas públicas, como forma de combater a violência na sala de aula. Os pais dos alunos terão de pagar por isso.

A reforma é geral no Colégio Fernando Pessoa, na cidade Goiana de Valparaíso, a 40 quilometros de Brasília. A partir da próxima semana, a escola será administrada pela Polícia Militar de Goiás.

O diretor será um policial com formação em pedagogia. PMs darão aulas de Educação Física e exigir disciplina dos mais de 200 alunos. As demais matérias continuarão a ser dadas por professores da rede estadual. Valparaíso tem altos índices de violência e os alunos já presenciaram até assassinato em sala de aula.

Em nota, a Secretaria de Educação de Goiás diz que a criação dos colégios é uma medida de segurança preventiva da mais alta eficácia.

Alguns pais apoiam a mudança, como a secretária Rosana Godoy. “Eu estou trazendo meu filho pra cá porque estou apostando no ensino, na segurança, pela disciplina que tem”.

Os alunos vão ter de usar quatro uniformes diferentes e sapatos específicos. Todos são comprados fora da escola e os pais já fizeram as contas. Para vestirem os filhos, vão ter de desembolsar entre R$ 500 e R$ 600. Valor que não cabe no orçamento de algumas famílias.

Os pais também vão ter de pagar R$ 100 de matrícula, R$ 50 de mensalidade e comprar dois livros, que custam R$ 300. Na prática, a escola, antes gratuita, passará a custar pelo menos R$ 1.500 por ano.

Desempregado, o pai de uma das alunas diz que vai tirar a filha da escola. “Eu não tenho condições. Como fica para alguém sem emprego?”.

A Secretaria de Educação de Goiás garante que quem não puder pagar terá vaga garantida em outra escola pública e de graça.

Então fica a indagação: Se a Polícia Militar é tão ruim ao ponto de alguns “especialistas” e políticos proporem insistentemente sua extinção, quais os motivos dos governantes, com o apoio da sociedade, confiarem a ela, como última instância, o gerenciamento de crises tanto na segurança pública como em outas áreas?

Fica uma pergunta: “será que a sociedade sobrevive sem a Polícia Militar e conhece realmente do tema para posicionar-se?”

Atrevo-me ainda a lançar outra pergunta: “a quem interessa extinguir a Polícia Militar e quais seus reais motivos?”

Chamo todos a reflexão antes de emitir opiniões simplistas e apaixonadas desprovidas de conhecimento.

Um abraço a todos

MARLON JORGE TEZA